quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Não cause, decore-se!

Vi-me obrigada a analisar o que fiz e fui (para mim e para os outros) no ano passado e nesse período de férias. Percebi que sempre fui causa de tudo, e percebi também que o que mais fiz naquela semana foi: causar. No meio de alguma muvuca causei olhares com meu jeito de dançar. No meio de amigos causei constrangimento por antes, no meio da bebida ter causado intriga. Em família causei o orgulho por antes no meio dos estudos ter causado a vitória. Depois causei a decepção, por ter me auto-causado a vergonha. Causei preocupação por chegar tarde e irritação por dormir o dia todo. Causei lágrimas e sorrisos, só não causei a compreensão. Causei impressões (apenas impressões), não queria eu causar certezas. Causei sim. Causei inconsciente, pois inconsciente cansei de ser causa de tudo sem ter causado nada. Causar, vem de ser motivo, o porque. Nem sempre o único, mas que talvez mais chame atenção. Nem sempre chama mais atenção por causar mais, mas por na sua quietude progredir mais - e isso incomoda os outros que 'causam' demais, o tempo todo. Sinceramente, causei durante uma semana inteira para talvez experimentar algum motivo concreto, e não adquiri nem progredi em nada com isso. Senti-me livre, não nego! Porém na minha própria liberdade foi onde encontrei a vergonha, o medo. Vergonha pois de tão completa que 'senti' essa liberdade, acabei libertando-me dos meus valores. Medo pois liberta de tudo, não sabia onde me apoiar quando duvidei que minhas pernas aguentariam. Desconfio que pessoas realmente livres são as que não tem medo do ridículo, audaciosas que acabam ridicularizadas por aqueles que tem medo de causar. Cause com moderação. Agora as engrenagens já voltaram a rodar, e a velha refugiada voltou a refugiar-se em algum pseudônimo por aí. Sem esquecer, é claro, de aventurar-se de vez em quando, pois por mais 'pobres de espírito' que sejam essas aventuras, sempre lhe sobra algo de construtivo para sua vivência, mesmo sabendo que uma vez a base solidificada, jamais se modifica. Porém ainda podemos fazer pequenos ajustes na decoração.

2 comentários:

Junior disse...

Bem luana,jah algum tempo que eu vejo o teu blog,mas nunca tive coragem de postar algum comentário(Na verdade estou com mt vergonha de estar postando este,pois não te conheco bem,mas pelo que eu jah vi no seu blog vc é uma pessoa mt legal e que teve de amadurecer rapidamente,e portanto isso foi o que me motivou a querer te conhecer,pois eu me identifiquei mt com vc,peço desculpas de antemão pela intromissão,mas é que eu não me aguentei :p(infelizmente,e talvez felizmente sou um cara mt expressivo)
Muita sorte!

Luana Barcelos, disse...

� Junior, tamb�m n�o te conhe�o, mas adorei o modo como voc� encaixou as palavras. Uma coisa... Fiquei curiosa agora, se identificou comigo? haha
Pessoas que sabem se expressar normalmente se d�o muito bem comigo. Ent�o seria felizmente? :D