quinta-feira, 15 de abril de 2010

Minha profundidade é dada a poucos

Com vários meios e sem fim. Olhos voltados para o céu. Brigadeiros e amores adoçam minha vida. Ansiosa, sincera, orgulhosa, ciumenta, companheira. Muito mais chocolate que pimenta, eu diria. Estou atrás de olhares sinceros, abraços apertados, frios na barriga, sorrisos de verdade, risadas espontâneas. Gosto de gente de alma limpa. Sou fúria ao que me congela e cautela ao que me silencia. Intolerância apenas aos que pisam em meu sorriso. E até meus meios sorrisos são verdadeiros. Luto para atravessar o horizonte incerto, para encontrar a minha vida toda em cores. Suavizei meu soco, amoleci minha marcha, embora minha dança continue sendo queda equilibrada. Sou minha família, meu amor, meus amigos, meu conhecimento, minha casa, meu corpo, meus pensamentos bagunçados e até meus desejos bobos. Não tenho mais medo do que não é inteiro e nem verdadeiro. Não me preocupo com o passado, pois importante é o presente! Eu só perdi alguns jogos idiotas, mas meu espírito permanece invencível. Sairei para voar um pouco... Mais do que tudo, mais do que nunca, quero aprender a voar. Guardo meus medos para mim mesma, mas partilho minha inspiração com quem souber voar comigo.

Um comentário:

patrícia disse...

ai que lindo o texto amiga, super profundo!